Home » Ciências Humanas » Mestrado em Direito: vale à pena investir em uma especialização?

Mestrado em Direito: vale à pena investir em uma especialização?

Em uma época de crise e recessão econômica como a que estamos vivendo, é normal que os profissionais se questionem se vale à pena investir em uma pós-graduação e, principalmente, se este investimento trará retornos reais em relação à remuneração e as chances mais interessantes no mercado de trabalho.

Responder esta questão não é fácil e depende muito da área em que se atua. Hoje, os profissionais com título de mestrado ainda são poucos atuando no ambiente corporativo, apenas 6,5% de acordo com os dados da Revista Exame. E é justamente essa escassez, que tornam os mestres e doutores tão disputados.

Ainda de acordo com esta mesma pesquisa, a titularidade pode significar um aumento de até 21% no valor final do salário. Parece interessante? Então continue a leitura e saiba tudo sobre o mestrado em direito.

Como está o mercado do direito no Brasil?

Mestrado em Direito

A carreira em Direito tem diversas áreas de atuação, algumas mais saturadas, outras nem tanto. De qualquer forma, esta é uma das graduações mais procuradas pelos brasileiros, com mais de 800 mil estudantes espalhados por todo o país.

Justamente por isso, continuar estudando e se especializando é importante, principalmente para quem deseja atuar em áreas mais concorridas. Dos principais setores do Direito, as que mais estão em alta são:

  • trabalhista: é uma área em franco crescimento no Brasil e que promete estar ainda mais aquecida nos próximos anos, principalmente com as alterações da reforma trabalhista;
  • tributário: garante a segurança da empresa em casos de processos administrativos e jurídicos que envolvam obrigações tributárias. Pode atuar ainda com fusões, aquisições e trabalhar em parceria com outros departamentos visando reduzir a carga tributária das empresas. Como o Brasil é um dos países com maior taxa de impostos do mundo, este é um setor sempre movimentado;
  • recuperação judicial: fornece uma representação jurídica para negociar prazos, quitar débitos, realizar pagamentos e solicitar a recuperação judicial, evitando a falência dos negócios;
  • contencioso cível empresarial: a crise econômica tem gerado muitos problemas de quebra de compromisso entre empresas, fornecedores e clientes. O advogado desta área representa a companhia em tribunais e órgãos administrativos;
  • arbitragem: é o advogado conciliador, que busca um acordo entre as partes envolvidas, evitando que o processo siga para estâncias jurídicas superiores.

Com o abarrotamento dos fóruns, este tipo de profissional tem sido muito buscado.

Dentro destas áreas, os profissionais com mestrado podem ganhar até 60% mais do que os apenas graduados – pelo menos é isso que mostra o levantamento feito pelo Estado de Minas.

Mestrado profissional ou acadêmico em direito: qual o melhor para mim?

Desde 2009, os estudantes que desejam se tornarem mestres tem mais uma opção de estudo: o mestrado profissional. Diferentemente do mestrado acadêmico, este programa é mais focado nas necessidades do mundo corporativo e por isso tem sido o mais requisitado pelas empresas que desejam contratar mestres.

Porém, não se engane. Entrar em um bom programa de mestrado profissional em direito também pode exigir bastante, com a criação de um projeto de pesquisa, a aprovação em uma prova com vários candidatos e, claro, a aprovação ao final do curso, com a defesa da sua tese de mestrado.

A diferença fundamental é que o mestrado acadêmico exige dedicação total do estudante. É preciso ter disposição para conseguir comparecer à faculdade em horários comerciais – e nem todo mundo dispõe desta flexibilidade. Já o mestrado profissional permite que o estudante consiga conciliar estudos e trabalho.

Além disso, o mestrado profissional também permite que os mestres atuem nas universidades, como professores, já que muitos cursos conseguem mesclar o lado prático, com o teórico, dando ao profissional uma formação mais ampla.

Assim, podemos entender que o mestrado acadêmico é voltado exclusivamente para a preparação do pesquisador – que deverá dar continuidade aos seus estudos e a sua tese na fase de doutorado. Já o mestrado profissional busca inserir o pós-graduado na área da pesquisa, mas não necessariamente fazendo com que ele continue a pesquisar.

Como é a estrutura de um programa de mestrado em Direito?

Mestrado em Direito

Independentemente de optar por um mestrado profissional ou acadêmico, a duração do programa será basicamente a mesma: dois anos, podendo o mesmo ser prorrogado por mais alguns meses, dependendo da universidade.

Na grande parte dos programas, o primeiro ano é dedicado as disciplinas obrigatórias e o segundo a confecção da sua tese. Por isso, optar corretamente pelo seu orientador e pela linha de pesquisa que deseja seguir é muito importante – considerando mais do que as áreas que estão “em alta”, aquelas que você tem afinidade.

Saiba que antes de optar por um mestrado acadêmico ou profissional, é muito importante ter em mente que você terá de se dedicar bastante ao programa, tanto antes (estudando para as provas que podem não ser tão simples), como durante as aulas.

No mestrado, você frequentará algumas disciplinas e ainda desenvolverá uma pesquisa que busca a formulação e a discussão mais aprofundada de determinados problemas jurídicos, que podem ser explorados através de diversas linhas argumentativas e pela análise de dados da realidade jurídica.

Em um programa assim, você não aprenderá questões práticas (nestes casos, o recomendado são as pós-graduações), mas sim terá um treinamento para dotá-lo de habilidades a fim de pesquisar e solucionar problemas por meio de métodos científicos.

Dessa forma, é claro, você deverá sempre ter um perfil acadêmico, identificar uma área que você tenha interesse e afinidade real e escolher uma instituição que siga a linha de pesquisa que você deseja estudar.

Onde fazer mestrado em Direito?

Existem muitas universidades em todo o país que oferecem programas de mestrado em Direito. Porém, antes de se inscrever em algum deles é essencial conferir se a linha de pesquisa adotada está de acordo com o que você deseja pesquisar e também as referências dos orientadores, entendendo quais tipos de pesquisas eles realizam e quais suas preferências.

Outra dica é sempre conferir a nota do programa no site do Capes (que é o órgão regulador dos programas de mestrado e doutorado no país). Os programas com notas maiores que 4 são considerados de excelência e o ideal é que a universidade não tenha uma nota menor que 3.

E, então, depois de ler este conteúdo, você já está convencido de que o mestrado em Direito era o que faltava para dar um upgrade na sua carreira?